Sob o céu, o seu céu

´O presente da Astrologia para a humanidade é ajudar o homem a ajudar a si mesmo’
Martin Schulman

Na Astrologia, olhamos o céu lá no alto, o de fora, esse que é comum a todos nós. Mas também olhamos para o céu de dentro, o individual de cada um que é o mapa astral. E olhamos, ainda, como um constela (ativa) o outro.

Pra você entender melhor, vamos falar do seu céu pessoal:  seu mapa astral.

O seu mapa astral  é uma espécie de retrato do céu no momento em que você fez sua entrada triunfal aos berros neste planeta, quando passou a ser parte do universo. Mais exatamente, o dia, o local e a hora da sua primeira respiração, quando fez a sua primeira troca autônoma com as energias que compõem a natureza e todo o universo. Troca esta que estabeleceu uma combinação que define o seu propósito no universo e seu modus operandi. Ou seja, tudo que é necessário – talentos e desafios – para o que você viva a sua parte nesta grande história chamada Vida.

Se você nasce no país Y, na cidade Z e na família K isto tem um propósito maior.  Como diz Osho, “você não está aí por acaso. A existência precisa de você. Sem a sua presença, algo estará faltando na existência e ninguém poderá ocupar o seu lugar”.

Para compreender esse papel seu na existência, no universo, é preciso conhecer a sua natureza. Se relacionar com ela. Ter intimidade com as forças que lhe compõem.  Aí entra o propósito e importância do tal autoconhecimento.  E de Dona AstrôPorque a consciência da natureza nossa é a melhor estrela guia para uma vida plena de significado, alegria, graça, amor. Uma vida que atende os anseios da alma e o propósito do espírito, porque vivemos a verdade nossa com todo o coração.

E melhor: sem desperdiçar energia e tempo frustrados, querendo ser algo que não somos, ao invés de desfrutar das benesses e potencialidades que a nossa natureza oferta em abundância. É a consciência que nasce desta conexão com a natureza, a  nossa, que muda o jogo. Que transforma. A sua vida e o mundo. E esta é a grande revolução em andamento no planeta hoje. Por isso, digo e repito: só (esse) autoconhecimento salva.