Que a imaginação esteja com você!

Sou mega encantada e APAIXONADA pelo universo simbólico-metafórico-mitológico moderno criado pelo George Lucas – taurino de 14 de maio – em Star Wars. E saber que ele fui pupilo de Joseph Campbell e criou uma versão galáctica phodástica  da Jornada do Herói só faz aumentar essa paixão.   Eu curto tanto o universo Star Wars que uso a saga como metáfora em muita coisa –  textos, papos, hang outs e diálogos internos quando quero compreender e/ou explicar alguma coisa/algo. Como agora.

Se a imaginação precede toda e qualquer criação de realidade, como postei aqui,  imaginar é um poder e tanto, né não?! Uma coisa digna de Força Jedi.  E como imaginação nunca foi meu problema, muito pelo contrário, transborda toooodos os poros e até me coloca num bocado de confusão, acabo de chegar a duas conclusões:

1 Sou  uma Jedi naaata

2  Mas não ando fazendo uso da Força! Estou subusando um dom!

Pois esse momento ‘taaaadáááá’ aconteceu justamente no  4 de maio,  dia mundial em que celebramos o universo Star Wars. Claro que pensei em como essa data era propícia pra dar voz e honrar a minha natureza Jedi.  Pra completar, a energia do dia colaborava e muito:  no calendário astral essa foi uma data em que o universo nosso conspirava e convidava a usar dons e talentos que temos pra cumprir nossa missão por aqui. Um ótimo momento pra atrair mudanças e o novo, pra começar a usar a Força. E some a isso, ainda, o fato de ser uma quinta-feira, dia de Júpiter, o planeta das novas narrativas e histórias. Hora de mudar a narrativa e, com isso, os rumos da trama.

Assim, cercada por essa intenção, fui pra aula de Yoda. Opa, quis dizer Yoga!

No tapetinho,  eis que a imaginação me socorre outra vez, apontando o caminho. Assim que voltei pra casa,  teatralizei e astroRitualizei, proclamando em alto e bom som pro universo todo:  sim, sim, sim! Eu vejo, reconheço, abraço e acolho minha fértil imaginação – esse dom lindo que me faz viajar metafórica e literalmente mundo afora. Com isso, me torno inteira, e vivo plena e integralmente a  missão e o papel que me cabem aqui! E que assim seja.  

(Eu não disse que imaginação não é o meu problema? kkkkk )

Feito isso, comecei a trabalhar e resgatar algumas ideias perdidas no limbo de arquivos e gavetas. E senti o despertar da Força em mim pra viver essa nova narrativa. Que a Força me acompanhe nesta jornada!  E que esteja com você também.

May The Fourth Be With You! 🙂