Mudanças que a alma quer

Quem não está encarando mudanças por aí? Sendo obrigado a abandonar a zona de conforto, né não?

Bem-vindo ao universo dos Senhores da Transformação – a saber, Urano, Netuno e Plutão. Um trio que não brinca em serviço quando ao assunto é fazer a gente ser honesto com o que a alma quer. Com o propósito do espírito.

Plutão, Netuno e Urano representam os desapegos necessários e a alternância de ritmos imprescindíveis à vida, à sobrevivência e à evolução nossa enquanto espécie da natureza no cosmos.  Compreensão essa que o homem da Antiguidade tinha e que, infelizmente, nos foi roubada quando o ‘Império’ dominou o mundo e o ‘lado negro da força’ impôs uma nova ordem no planeta. Por séculos e séculos, nos tornamos órfãos deste entendimento e, consequentemente, inconscientes da ‘força’ em nós.

Pra mim, a descoberta de Urano, em 1781, no ocaso da Idade Moderna, sinaliza o despertar desta consciência então adormecida.  Sessenta e cinco anos depois, o simbolismo de Netuno reforçou essa compreensão. Em 1930, foi a vez de Plutão chegar chegando, mostrando que, anão ou não, ele tem o poder, a força e a glória.  E que não é pouca coisa, não!

A propósito, muitos estudos astrológicos e místicos defendem que a descoberta de um novo planeta no céu constela o surgimento de uma nova consciência na Terra. Ou seja, ativa em nós uma compreensão que passa a integrar a nossa psique, em prol da evolução. Concordo com isso.  Veja o que aconteceu com Plutão recentemente, por exemplo.

Enquanto  a Nasa ia fotografando e desvendando sua beleza lá em cima, por aqui fomos nos tornando mais e mais conhecedores da linda potência que todos somos quando em conexão com a  nossa natureza. Seguimos aprendendo a nos relacionar com o poder e a força em nós e sua manifestação no mundo externo. E nos tornando mais e mais conscientes do quanto o total descompasso com a dança cósmica no universo, com os ritmos e leis da natureza, leva ao mau uso do poder, da força, e assim, à destruição.

Hoje, vivemos tempos de profunda mudança de paradigma e transformação no planeta. Há um anseio entranhado nas vísceras do mundo por reconexão com a natureza. A lá fora e, principalmente, a nossa própria. Por isso, digo e repito: seja mais aquilo que você (já) é em essência!

quanto mais em contato estivermos com a nossa natureza interior, com a nossa verdade, mais fortes energeticamente nos tornamos. E nossa mais autêntica versão sempre é a melhor e mais potente versão nossa. E é aquela capaz de provocar  belas transformações e mudanças em sua vida e no mundo ❤ Lagartas se transformando em borboletas.