Janela indiscreta: vizinho voyeur

Que as pessoas adoram espiar a vida alheia, isso é fato. Prova disso são as centenas de revistas e sites de fofocas que circulam por aí. Bem como os programas ao melhor estilo voyeur, que se multiplicam.  Até aí, tudo bem. Embora não aprovasse e menos ainda consumisse esse tipo de produto, o que nunca Ela nunca imaginou é que poderia protagonizar uma cena assim.

Aham…

Anos atrás, quando ainda morava em seu antigo apartamento, chegando em casa após um treino de pilates, Ela se deparou com o  vizinho do andar de cima, Seu Odair,  que vinha carregado de muitas sacolas e pacotes em direção ao elevador.  Gentilmente, segurou a porta do elevador à espera dele.  Ao nos cumprimentá-lo, percebeu um lampejo maroto  em seus olhar. Mas não demorou o pensamento nisso, focando sua atenção no que havia disponível em casa para saciar sua fome, que só aumentava naquele pós-aula.  Porém, seus pensamentos foram interrompidos pela voz de Seu Odair:

– Sabe,  gosto muito de ficar madrugada adentro assistindo  filmes. E da janela da minha sala acabo vendo toda a sua cozinha e a movimentação que nela ocorre, já que as janelas do prédio ao lado são um verdadeiro espelho à noite… Você já reparou isso?

Seu pensamento rápida e freneticamente abandonou a comida e substitui a omelete imaginada pelas porno cenas que Ela protagonizara com Adalberto, seu crush e PA, no balcão há menos de 48 horas. Sorriu, disfarçando o constrangimento, e respondeu a única coisa que lhe veio à mente:

– É mesmo? Nunca notei.

– Sim – continuou bem animadinho o vizinho – Às vezes, vejo você e seu namorado por ali…

Antes que eu esboçasse qualquer reação, o elevador parou no meu andar e saltei dele apressada, me despedindo de Seu Odair com um breve tchau, ainda pensando nas cenas calientes protagonizadas com Adalberto – única razão das inserções àquela parte do apartamento nas madrugadas recentes, por sinal…

“Nãããoõoo”,  pensou com seus botões, lembrando dos malabarismos sexuais na pia e no balcão da cozinha.

“E se isso for parar no YouTube?E se algum outro vizinho voyeur filmar isso?”, estremeceu diante da possibilidade, já imaginando o custo disso para sua carreira. “Como fica minha credibilidade na firma? E com que cara vou ao próximo encontro de família?”

Tais pensamentos e a  ideia de ser alvo da rede lhe tirou o apetite e a fez girar nos calcanhares,  descendo pelas escadas rumo à garagem outra vez.  Uma hora e meia depois, estava de volta. Com Adalberto e cortinas em mãos. Aliviada, Ela se refestelou com seu PA depois de cobrir as janelas com os panos. Sem preocupar-se em ser pega com (ou sem) as calcinhas (ou qualquer outra peça) nas mãos.