Cachorros & faixas de segurança

faixa segurança 2

Observar é um verbo que conjugo muito, já que ele tem relação íntima com meu trabalho.  Somos grandes parceiros de aventura, a observação & eu. Pois nesses primeiros dias em Miami, mais uma vez nos unimos e, dessa parceria, alguns  comportamentos vem me chamando a atenção. Não por serem exclusivos das pessoas que aqui moram; mas sim, por mostrarem que a natureza humana é a mesmíssima em qualquer latitude do planeta.

Veja o caso dos cachorros, seu cocô e a atitude de seus donos.  No parque onde caminho todos os dias, observo que a maioria dos pais & mães de cachorros se encarrega de recolher os dejetos de seus filhotes. E praticamente todos fazem uso das sacolas plásticas verdes que a prefeitura ali disponibiliza – aliás,  há diversas placas orientando os usuários do parque a recolher as cacas de seus pets,  informando ainda que cocô abandonado nas calçadas e gramados gera doenças e multas.

Mas, como tudo na vida, sempre há exceção. E, sim, existe uma minoria que ainda  ignora toda e qualquer placa, sacola plástica gratuita e abundantemente disponível, ou mesmo olhar de reprovação. Simplesmente saem andando com seus cachorros, deixando para trás os dejetos abandonados – para que uma desavisada e distraída caminhante como eu pise lindamente na meleca alheia.

Mudando o rumo, outro comportamento que também chama minha atenção é o de motoristas diante das faixas de segurança bem sinalizadas e com luzes piscantes em algumas ruas movimentadas. Nestes locais, pedestres como eu apertam o botão. Então, uma luz amarela começa a piscar e voilá: os carros param para você passar. Bem, 99% deles param 99% das vezes. Infelizmente, tem esse 1% que surge vez ou outra e segue o curso, ignorando e desrespeitando solenemente tanto o pedestre que cruza a faixa, como os demais motoristas ali parados.

Pois ambas as situações me fazem pensar na mesmíssima e universal atitude que une ambas: o egoísmo, o tal pensar no próprio umbigo e não levar em consideração o coletivo, o todo.  Um comportamento que, por estar intimamente relacionado à natureza interior do ser humano, se manifesta em qualquer coordenada do planeta, independente de lugar-raça-credo-cor. E me leva, mais uma vez, a repetir o que tenho dito por ai feito mantra: só a consciência de que somos todos  interconectados (o que implica respeito) resolve. #SóAConsciênciaSalva!