Aquilo que você acredita

Aquilo que você  escolhe acreditar , as crenças que você alimenta lá no escurinho da sua caixa preta, molda sua vida.  Como assim?

Explico. De uma forma bem simplista, é mais ou menos assim que funciona: as paredes de nossas células são formadas por vários “encaixes” – cada um deles com um formato específico. Tipo chave e buraco de fechadura, sabe?  Assim como há ’encaixes’ para comida, água, e outras coisinhas básicas para nossa fisiologia e sobrevivência, há muito outros específicos para as emoções. Sim, isso mesmo. E cada um deles tem um formato determinado  para cada tipo de sentimento que temos. Pode?

Pode!

Isso significa que assim como bebidas e comidinhas desencadeiam uma série de reações bioquímicas em nossas células, as emoções também fazem a mesmíssima coisa. Ou seja: o que sentimos chega em nossas células, se encaixa no seu respectivo ‘buraco de fechadura’ e desencadeia uma série de reações bioquímicas a partir da mensagem recebida pela célula.

Mas o que define estas emoções? As nossas crenças. Aquilo que acreditamos com todo o coração. Um  exemplo? Observe quando você está apaixonada por alguém ou alguma coisa. Qual a informação que suas células vão receber? ‘Tudo é lindo! Tudo é belo’ E que tipo de vibração você vai emanar? Bingo! Love, love, love! E que tipo de mensagem estará sendo exaustivamente reproduzida dentro de você conforme suas células se dividem e multiplicam? Exato, a de paixão pela vida.

Portanto, a mensagem que vai se propagar em todo nosso organismo através da reprodução de nossas células depende das nossas crenças, das emoções e pensamentos que elas produzem.  É assim que a nossa biografia (o que vivenciamos, as nossas experiências) se torna a nossa biologia, como explica Caroline Myss na obra ‘Anatomia do Espírito’.

Quem também explica isso é o Bruce Lipton no lindo ‘A Biologia da Crença’, uma leitura fácil, deliciosa e muito instrutiva. Porque assim compreendemos o que leva a atacar a geladeira ou a caixa de chocolates naquele momento de deprê. E porque você se achou  muito gorda-baixa-magra-feia-cabeluda ao se olhar no espelho.  Como ensina  mestre Yoda, a força está em acreditar. Por isso, escolha bem aquilo que você deposita sua fé, o que você acredita.